Pesquisar

[RESENHA] A Cabana - William P. Young #03

Simples e direto: muito sem ação. Com certeza esperava mais dessa obra, que mais parece um sermão de um pastor do que uma narrativa neutra.

Eu não sei se o problema está comigo, mas eu esperava muito, mas muito mais de A Cabana. Muito antes de ler esse livro, ou seja, assim que foi lançado aqui no Brasil, vi muitas pessoas lendo nos ônibus, no metrô e até alguns familiares. Quando eu perguntava, eles diziam que o livro era super fantástico e não se arrependia nem um pouco da aquisição.

Não foram só alguns familiares meus, acho que foi o Brasil inteiro. Nunca encontrei nenhuma crítica negativa para A Cabana. Sendo assim, me contento: esta é a primeira crítica negativa desse livro. Porém há a consideração de que eu esperava mais devido a alguns livros que me rodeiam nesse momento, afinal eu acabei de ler A Culpa É Das Estrelas (resenha) e tinha acabado de comprar Guerra dos Tronos, embora tenha decidido ler somente após A Cabana, que não tinha nem aberto.


A Culpa É Das Estrelas não tem ação de tirar o fôlego (desculpe o trocadilho, Hazel Grace), mas há troca de ambientes, os protagonistas são cancerosos, viajam à Amsterdã à procura do autor de Uma Aflição Imperial, um livro que eles admiravam... Guerra dos Tronos dispensa comentários. Tem só um mundo diferente do nosso. Eu sabia que A Cabana falava da história de um homem que perdeu a filha e foi até certa cabana para obter respostas. Sabia, também, que lá tinha um encontro com Deus. Entretanto eu pensava que, com o auxílio da Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), o homem entraria em uma aventura motivada sobrenaturalmente pela sua filha; Algo assim. Só que não é nada disso.

Mackenzie (Mack) Allen Phillips vai até a cabana e encontra Deus, Jesus e o Espírito Santo. Ok. Então ele passa um fim de semana no "paraíso", onde conhece os mistérios e poderes de Deus, fatores estes manifestados através de metáforas (o coração de Mack, por exemplo, é um jardim que o Santo Espírito cultiva). Mack anda sobre as águas, ouve sermões de cada um dos três e depois volta totalmente transformado para sua casa.

Toda a passagem é ficcionista, claro. Porém acontecem algumas partes meio sem noção. No fim do capítulo 2, Missy, a garotinha que desapareceu, compara a história de Jesus com uma história de uma princesa que precisou se jogar de um penhasco pra salvar seu povo. Repare que o ideal das histórias é o mesmo. Missy vai deitar e perguntar para Mack, seu pai:

"Algum dia eu vou ter de pular de um penhasco"?

O pai respondeu que não, se retirou do abrigo e começou a chorar. What?!

Missy some depois que Mack pula no rio pra salvar seus outros filhos que estavam se afogando, fato que deu liberdade para o sequestrador. Os filhos de Mack estavam se afogando porque o bote onde estavam virou. O amigo de Mack e dono do bote, Emil Ducette, após Mack salvar os garotos, abraçou o amigo e começou a chorar. Detalhe: Emil é forte combatente do tráfico de animais em extinção e vive várias aventuras. Mas chora quando vê um pai salvar o filho.

O que faz sentido na obra é que tudo o que Mack imaginava sobre o "paraíso" era totalmente diferente. Me identifiquei com a página 129, dizendo que nos desesperamos, ficamos com medo e, devido a isso tudo, pensamos que Deus não nos ama. Diz que pensamos muito no medo do futuro e que tentamos sempre evitar os problemas do futuro. Porém não temos como controlar o que ainda não aconteceu; Isso nos desespera e nos afasta de Deus. Outra passagem que me tocou, também, foi uma que afirma que na religião, qualquer que seja, não devemos procurar regras ou princípios, e sim relacionamento com Deus.

Eles deixam expresso, várias vezes, que quando nos preocupamos com responsabilidades e expectativas, nos distanciamos de Deus e acabamos vivendo no medo.

Esses dois últimos parágrafos provam que o livro é mais um sermão do que uma aventura. Esses foram apenas alguns temas que a Trindade abordou, mas imagine que durante toda a narrativa outros temas foram abordados e sempre através de diálogos ou de metáforas.

O livro é muito complicado. As palavras de Deus, Jesus e do Espírito são muito complexas e difíceis de entender. Por isso faz sentido, já que nenhum bom entendedor conseguirá explicar Deus. O motivo de eu não ter me agradado tanto de A Cabana foi o motivo para eu admirar e admitir quão boa é esta obra.

Enfim, se você não gosta daqueles livros clássicos que são obrigatórios no Ensino Médio, não leia A Cabana. Eu custei a lê-lo por completo, porque tinha horas que tudo se tornava tão parado que eu queria abandonar. E se você também está querendo ler A Cabana para um melhor entendimento sobre Deus, certamente o terá, mas não o suficiente para entender seus feitos. Entretanto, se fores capaz de enxergar um pouco além, verás que a obra é complicada porque Deus é complicado, e não conseguimos entender os propósitos escritor no livros porque também é difícil compreender Deus. Isso eu achei genial. E, finalmente, se você quer ler A Cabana porque é cristão e pretende formar argumentos para provar a existência de Deus a um ateu, esqueça. Ele vai dar risada da sua cara.

  • Protagonistas: Elousia ou Papai (Deus), Jesus, Sarayu (Espírito Santo) e Mackenzie Phillips;
  • Espaço: aberto;
  • Lugares: Oregon - cidade de Joseph-EUA (local da Cabana) e o "Paraíso".

Prometo que lerei De Volta à Cabana - C. Baxter Kruger, em que o próprio William Young disse que para entender melhor A Cabana, poderia ler este livro. Depois faço uma resenha.

PRÓXIMA RESENHA: As Crônicas de Gelo e Fogo: A Guerra dos Tronos, Livro Um - George R.R. Martin. Assim como A Culpa É Das Estrelas e A Cabana, sempre soube que todo mundo está comentando sobre essa saga. Quando comprei a SuperInteressante de setembro, veio junto um guia definitivo da saga; Quando vi o livro na livraria, decidi comprar.

7 comentários :

  1. INCRÍVEL resenha, Gunnar! Eu nunca li A Cabana e, depois dessa, num quero ler meeesmo. Todo mundo fala que é emocionante, uma verdadeira lição de vida, mas eu sempre acreditei que era justamente por causa dos fatores que você descreveu e defendeu com tanta convicção serem péssimos para atestar a qualidade de um livro. Parabéns pela resenha!

    P.S.: "E, finalmente, se você quer ler A Cabana porque é cristão e pretende formar argumentos para provar a existência de Deus a um ateu, esqueça. Ele vai dar risada na sua casa". kkkkkkkkk Adorei essa parte. Genial!

    P.S.²: Já concertei os banners rotativos do meu blog e incluí o seu banner lá, ok?

    Até mais!
    :)

    Giovana Figueiredo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gih!

      Obrigado e que bom que gostou! Sinceramente, eu comprei esse livro esperando muito mais dele, de tanto que as pessoas falam, rsrs.

      Beijos!

      Excluir
  2. Odiei esse livro com todas as minhas forças. Sério. Não tem livro pior pra mim do que este. Eu comprei achando q fosse um thriller policial pra solucionar o assassinato da garota, mas depois q Deus-Mulher entra na estória eu larguei mao e vendi o livro. Parabéns por ter chegado ao fim da leitura, vc é um guerreiro kkk
    No Limite da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui com essa mesma intuição, Camila. Como disse na resenha, achei que haveria uma aventura em busca da filha com a ajuda de Deus. Quando Mack entrou na "cabana-paraíso" eu não tinha desanimado ainda. Só que ele dava uns passeios com Deus, Jesus e o Espírito Santo, cada um dando um sermão. Aí eu desanimei. Batia um desânimo quando eu lembrava que tinha que terminar o livro. Vou deixar ele empoeirar aqui.

      Excluir
    2. Ha gente fala serio...Eu sou a unica aqui a dizer que adorou este livro.
      Tá ok, cada leitor tem seu ponto de vista, etc...sobre uma leitura e defendo muito isso. Mas eu, euzinha aqui, amei o livro, a forma em que ele foi escrito, os sentimentos, nossa tudo.
      O livro tem sim o seu contrario( ou posso dizer) diferencial.Tem relatos que você não entendera, mas...o achei tão impressionante, tão chamativo, que foi impossível eu não gostar. Chorei horrores lendo ele(sim sou dramática. hahahahahahaha), e consegui levar algum aprendizado o lendo.

      "Eis o mistério de nossa fé" isto diz o que você citou Gunnar, na resenha.

      Parabéns pela resenha!

      Beijokas Ana Zuky

      PS: Não quero transformar nenhum ateu em cristão tá!hahahahahahahahahahahaha

      Blog Sangue com Amor

      Excluir
    3. Sim, Ana, cada leitor é um mundo diferente. Respeito muito a leitura e se alguém disser que leu e gostou d'A Cabana, vou parabenizar sim, porque este livro é arte e leitura é essencial. Só tenho minhas controvérsias sobre esse romance. Se alguém leu e gostou, sinceramente eu parabenizo pela boa interpretação.

      Beijos.

      Excluir
  3. Oi adorei.. muito obrigado, amei a maneira que vc usou para descrever essa resenha...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda
    www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir