Pesquisar

[RESENHA #10] Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores

A felicidade pode estar em um lugar que lhe causa tristeza.

É mole esse começo aí em cima? Não está no livro Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores - Lilian Reis, mas foi uma das mensagens que a autora quis nos passar. O livro conta a história de Jade, uma garotinha mimada do Rio de Janeiro que sofre uma reviravolta e acaba indo parar no lugar que mais lhe causa tédio e tristeza: a casa do pai.

Jade era filha de Laura e Bernardo. Eles brigavam muito, quase que todos os dias. Foi inevitável a separação e nesse momento, Jade tinha apenas cinco anos. Na divisão dos bens, Laura ficou com as coisas na cidade e Bernardo com a propriedade da fazenda, em Minas Gerais. Lá, ele se casou novamente e Laura não ficou para trás e arranjou um gringo norte-americano chamado Thomas.

Claro que a figura paterna faz muita falta, mas tudo estava indo muito bem para Jade. Por influência da mãe, ela começou a repulsar o pai após a separação, este que sempre se importava com a filha e jamais perdeu o contato com as duas. Entretanto ela viu em Thomas essa ausência ser preenchida e a mãe parecia, realmente, ter encontrado a cara-metade. Os dois viviam muito bem e o padrasto tratava a afilhada como se fosse uma filha. Nessa família feliz, também tinha Melissa, uma grande amiga de Jade, cuja amizade iniciou-se na escola e atingiu proporções maiores, com uma frequentando a casa da outra como se fossem parentes.

Do lado de lá, Bernardo também parecia ter encontrado a esposa ideal. Diferentemente de Laura, Isolda (sua nova esposa) era calma, serena, tranquila e amava a vida no campo. Laura era metropolitana compulsiva e Isolda amava flores e o contato com a natureza, o que fez com que Bernardo se identificasse rapidamente.

Bernardo e Isolda lá, Laura e Thomas aqui. Para Jade, essa "vidinha" cheia de nada era o paraíso. Até que sua vida sofre uma reviravolta: após assistirem a uma cerimônia de casamento, os três voltavam para casa tranquilamente. Exausta, com frio e encolhida no banco de trás, Jade adormeceu. Sonhou que um anjo a tirava de dentro de destroços de um carro capotado, a enrolava em um cobertor e a colocava no chão ao lado, fora de perigo. Quando ela acordou, estava na cama de um hospital, com seu pai ansioso ao seu lado.

Bernardo explicou que houve um acidente de carro e que Jade estava em coma há 28 dias. Infelizmente, Laura e Thomas morreram na hora e ela só não morreu porque estava enrolada em um cobertor e fora do veículo, fato que os médicos não conseguiram explicar. Jade, então, tentou dizer que viu um anjo que a carregava e a enrolava em um cobertor. Poderia ser somente sonho, mas era algo mais devido ao fato de que não havia nenhum cobertor com ela, por isso estava encolhida.

Enfim, Bernardo assinou toda a papelada burocrática e a levou para a fazenda em Minas. Lá era o último lugar que Jade queria ficar na face da Terra, tanto por ser um lugar que "só tem mato" como por ter que conviver com a nova esposa de Bernardo. Mas não teve escolha, já que tinha apenas 17 anos e, obviamente, ainda era menor.

Lá na fazenda, ela conhece Eduardo (Duke) e Fred. Eles são os filhos do primeiro casamento de Isolda, que até ter se casado com Bernardo era viúva. Os dois irmãos eram bonitos, altos, morenos, sarados e frequentavam academia. Duke, o mais novo, era o mais extrovertido, enquanto Fred era sério, calado e encarava Jade de um jeito um tanto estranho (apaixonado).

No começo, Jade era aquela gatinha arisca, que arranhava todos que lhe dirigissem um "oi". O único que ela mantinha diálogos era Duke, devido a sua espontaneidade e seu carisma que conquistava qualquer garota. Porém ainda mantém desconfiança com o tal Fred, que a cada dia que passa lança olhares cada vez mais sinistros.

Fred a olhava com uma intensidade muito grande. Há nove anos, quando ainda era uma criança medrosa, ele viu Jade pela primeira vez em uma das visitas que ela fez ao pai. Na ocasião, ela foi ameaçada por uma cobra e o tal Fred foi quem a salvou após dominar e matar o bicho peçonhento. Naquele momento ele até se esqueceu de que tinha medo de cobras. Mas agora Jade tinha 17 anos e não era aquela magricela de tempos atrás. Ela desenvolveu um corpo esbelto, o rosto meio ingênuo meio maduro de adolescente e os cabelos naturalmente loiros em cascata sobre os ombros (sim, sobre a cabeça, mas que iam até os ombros). Seus olhares para essa loira eram sinistros, mas nutridos de um ciúme desenfreado por aquilo que não era dela e que jamais seria se continuasse agindo daquele jeito.

Para Jade, aqueles olhares eram impactantes e como ela era muito arisca, não demorou muito para os dois trocarem farpas. Brigavam sempre, ele por causa de um ciúme escondido e desenfreado e ela por querer mais liberdade e não querer que ninguém a vigie, tal como era no Rio. Porém nas entrelinhas dessa relação conturbada, algo profundo é cultivado e os dois vão, entre tapas, descobrir e tratá-lo.

Lilian Reis foi muito feliz na escrita deste livro. De uma forma mais natural e íntima do que a narrativa de Páginas de Uma História (resenha), ela possui uma forma de escrever e descrever situações de modo que nos deixa totalmente em sintonia com o livro, sentido o mesmo clima, tensão e sentimentos presentes naquela cena. Veja o trecho abaixo:

- Eu ensino! - disse Fred [...]  (a montar em cavalos)
- O quê? - perguntei [...]
Olhei para ele e, dessa vez, o fuzilei com os olhos quando me lembrei de tudo.
- Não!
- Por que não? - ele perguntou com um sorriso irônico nos lábios. Coisa rara!
- Porque é... Porque você é um cara ocupado, não tem tempo e não gosta de mim. Além do mais ah, deixa pra lá!
- Você é que está dizendo! - ele levantou os dois braços como se dissesse: fiz minha parte.

Quando Fred ergue as mãos se imunizando de culpa, antes de ler que ele faria isso, eu imaginei a cena com ele fazendo isso. Significa que eu estava em total sintonia com a ideia e cena que a autora quis trazer e, mais do que isso, como a escrita bem elaborada dela nos permite ficar assim durante toda a leitura.

Em outra cena, Duke ensinava Jade a montar em cavalos e falava uma linguagem técnica, específica de pessoas que viveram em fazendas. Quando eu lia tudo aquilo que ele falava, achei tudo um saco! Eram tantas regras para colocar uma sela e todos aqueles termos e palavras restritas que eu não entendi absolutamente nada! Nem eu, lendo, nem a personagem Jade. Isso mostrou que a autora foi atrás para fazer uma cena bem feita e coerente. Não vou transcrever essa passagem aqui porque ela tem umas três páginas e ninguém iria ler, é muito técnico.

A narrativa do livro é muito boa, mas há algumas pendências que eu não pude deixar de pontuar. Na verdade foi apenas um tipo que se repetiu em outras situações do livro. Veja só: No capítulo 19, Jade vai com Fred e Duke a um casamento. Na festa, ela vai para a mesa do DJ enquanto os dois irmãos ficam no meio sentado nas mesas. Note que entre Jade e o local onde Fred e Duke estão, há uma pista de dança onde os convidados dançavam loucamente, fora a música bem alta como foi enfatizado na narrativa. Mesmo assim, Jade, em primeira pessoa, narra a conversa dos dois irmãos, como se pudesse escutá-los. Aquele capítulo era narrado pela Jade em primeira pessoa, então era fisicamente impossível que ela escutasse o diálogo referido.

O mesmo fato acontece duas páginas à frente: Fred, como sempre, estava se roendo de ciúmes e Duke disse:

"Não se preocupe, bro, ela não gosta de mim, ela gosta de você! Até o Bernardo e a mamãe já perceberam. Preocupe-se com o DJ. Ele é que está louco por ela!"

Nesse momento, Jade estava no meio da pista e ia começar uma coreografia. Mesmo assim, em primeira pessoa, ela narra essa conversa. E ela sempre negava esse sentimento por Fred, era certo que se, de fato, tivesse ouvido, iria dizer alguma coisa. Ela não ouviu, mas narrou para o leitor. Não me pergunte como.

O mesmo erro acontece na página 289 e eu não pude deixar passar. Veja bem: o capítulo é de Fred, logo, ele é quem narra em primeira pessoa. Jade começa a ter um pesadelo com o pai. No sonho, o pai conversava com ela algo muito estranho. E Fred, magicamente, narrou o que o pai de Jade dizia no sonho dela! Se o capítulo era do Fred e era Jade quem sonhava, como é que Fred sabia o que acontecia no sonho?

Quando a menina acorda assustada, ela diz que o pai falou com ela. Fred não acredita que isso tenha realmente acontecido, o que prova que ele não sabia do sonho. Sendo assim, quem narrou a tal visão? Ela caiu de para-quedas.

Não classifico livros em resenhas, somente no Skoob, mas esse foi o motivo de eu não ter dado 5 estrelas. A linguagem é fluída, a narrativa interessante e a história comovente, que fazem do livro digno de 5 estrelas. Mas esse tipo de erro mais alguns erros de DIGITAÇÃO (e não de português, por favor) e ambiguidade me fizeram classificá-lo como 4 estrelas.

E, sinceramente, falando de leitor pra leitor, o fechamento foi P-E-R-F-E-I-T-O! Quando eu terminei o livro, eu disse sozinho: "aaaaaaaaaaaaah, nãao!!!", somente por ansiedade em ler a continuação do livro. O trecho final do livro é:

"Até que..."

Isso foi uma deixa muito, mas muito bem elaborada! A continuação é "Amores Complicados", disponível atualmente apenas em e-book na Amazon e eu fiquei completamente enlouquecido para comprá-lo e saber o que acontece com aquelas personagens! A Lilian Reis foi a única autora capaz de me fazer interessar por ler e-book. O primeiro, Páginas de Uma História, eu li em apenas três dias e com uma empolgação enorme também, e agora não vou hesitar em comprar a continuação de Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores!

Booktrailer:

6 comentários :

  1. Gunnarrrrrrr! Obrigada pela resenha carinhosa.Beijos, Lilian.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lilian!

      Não tem de quer! Eu que agradeço por você ter feito uma história tão maravilhosa!

      Beijos!

      Excluir
  2. Que pena que teve estas pequenas mancadas no decorrer do enredo, mesmo assim parece ser uma leitura legal e este final é para deixar qualquer leitor "roendo as unhas"... maldade!
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Realmente é uma história muito legal! Um livro de 4 estrelas não é pouca coisa, rs!

      Beijos! Volte sempre!

      Excluir
  3. AMEI A RESENHA :)
    Catrine - leitorasdechocolate.blogspot.com/

    ResponderExcluir