Pesquisar

Alckimin sanciona: proibido usar máscaras em manifestações!

O texto da postagem está destacado abaixo porque este blog foi criado em 2.012, quando Gunnar Santos tinha apenas 16 anos. Ele publicava aqui conteúdo de Política devido a sua vontade em seguir o Jornalismo Político.

Os textos que contêm tal destaque, como este, são apenas os de caráter crítico e político escritos naquele momento e, portanto, não representam qualquer posicionamento, opinião ou pensamento tanto da GNR como do próprio Gunnar. A decisão de mantê-los aqui se deu pelo fato de que faz parte da história do conteúdo produzido por ele. No entanto, para evitar interpretações equivocadas, se fez necessária a adição desta nota.

Em contrapartida, as antigas publicações literárias não fazem parte dessa classe e não carregam esse aviso.

- Grupo GNR.

Hey, guys!

Cada dia que passa eu tenho mais raiva de mim por eu me importar tanto com política. Pego um jornal impresso e a primeira coisa que vou olhar é o que está acontecendo de novo no Congresso, com os políticos e o tema em geral. Sinto que é meu dever de cidadão. Pode ser a Folha de S. Paulo ou aquele jornal que dão no Metrô, eu leio com interesse na política. Isso dá raiva porque depois do fato de pagarem para os mensaleiros finalmente presos poderem pagar suas multas, eu tinha dito que nunca mais falaria de política. Só que as vezes eu penso que, agindo assim, não terei direito nenhum de opinar por um Brasil melhor. E aí fico meio encafifado com isso. Enfim, é assunto pra outra hora.

Falando em jornal do Metrô (e aqui cabem os devidos créditos: Jornal Estação), há o informativo que o atual governador de São Paulo e candidato à reeleição Geraldo Alckmin sancionou uma lei no último dia 29/08 que proíbe o uso de máscaras em manifestações no estado. A medida não cabe a manifestações culturais, como o carnaval.

De acordo com o Jornal Estação, "a proposta foi aprovada na ALESP no início de julho, mas foi enviada ao governador em 12 de agosto. O tucano já havia antecipado na segunda-feira (25) que sancionaria a medida. [...] O governador informou que irá regulamentar a iniciativa até o final do ano, dentro do prazo de 90 dias previsto em lei. A proposta não deixa claro se serão vedadas também as máscaras de gás, usadas pela imprensa como instrumento de proteção no trabalho."

A questão que eu quero lançar é a seguinte: os manifestantes pacíficos não utilizam máscaras com o intuito de cobrir o rosto, mas como instrumento de protesto. Mas com essa lei, terão que abolir esse canal e ficar somente nos cartazes, tudo bem. Já os manifestantes vândalos, utilizam as máscaras para não serem identificados. Entretanto, ao praticar atos de vandalismo mesmo com o rosto coberto, se tornam alvos da polícia e, quando são detidos, têm a venda retirada e são identificados. Mas se essas pessoas vão às passeatas para praticar vandalismo, por que iriam respeitar essa lei? Se eu quero ir às manifestações para depredar agências bancárias, eu vou colocar uma máscara para fazer não ser identificado. A polícia virá até mim solicitando que eu retire a máscara? 5 PMs vão mesmo entrar no meio de 1.000 pessoas para fazer apenas uma retirar a máscara? E se eles realmente vierem até mim, eu vou deixá-los chegar?

O ponto que quero chegar é que, se um cara quer "vandalizar", ele vai colocar a máscara antes de fazer isso. Por que ele não colocaria? Porque é proibido? Mas vandalismo também é proibido. Se essa pessoa for detida, os policiais irão retirar a máscara dela e ela será identificada. Se não for, não será identificada e permanecerá impune. Um vândalo não vai praticar seus atos indignos sem uma venda.

Então essa lei é, de acordo com o meu pensamento, ineficaz, pois quem vai às manifestações para praticar vandalismo, vai usar máscaras. Se não for detido, não será identificado e permanecerá impune. O que podemos subentender é que Alckimin tomou essa medida para barrar os Black Blocs, mas não levou em consideração que se forem mascarados os PMs irão barrar e haverá confronto do mesmo jeito.

Nenhum comentário :

Postar um comentário