Como estão minhas vibes gamer e literária?

Share:
O que produzi e em quais áreas cresci nas esferas gamer e literária que me permitiram chegar até aqui e como elas influenciarão o GNRGUNNAR.



A essa altura do GNRGUNNAR está claro que jogos e literatura são as duas paixões da minha vida. Mas após um 2019 cheio de incertezas e 2018 e 2017 repleto de falta de ação, como abordarei esses dois tópicos em 2020?

O ano de 2014 foi o meu melhor ano literário, pois além de ter publicado meu livro, foi a época em que mais li obras e conheci pessoas incríveis e seus projetos. Já 2015 foi o meu melhor ano gamer porque estava com o primeiro canal em ativa e com muitas ideias para colocar na mesa e escolher qual desenvolver. Tais escolhas foram responsáveis pelos anos seguintes serem fracos para mim, que cheguei quase no zero.

Esse zero que me refiro diz respeito a crescimento. Li muito pouco, joguei poucos títulos e foquei muito em produção técnica de audiovisual (edição, gravação e divulgação). Justamente digo que cheguei ao quase zero porque o investimento nesses setores acabou aflorando e hoje tenho mais eficiência neles. É por isso que decidi retomar minhas produções em 2020, pois me sinto no meu melhor momento.

Então como ficou meu crescimento na área de games e de literatura? Como será o GNRGUNNAR em 2020 no sentido de bagagem cultural/experiência? É sobre isso que quero conversar com vocês agora.

Games

Eu deixei de conhecer muitos jogos que considero importantes para uma figura de comunicação em games como eu. Não por falta de uma plataforma para jogar, e sim por falta de procurar informações sobre lançamentos e o que a comunidade estava a falar sobre eles. Esses anos que fiquei sem produzir também fiquei fora da esfera gamer e jogava apenas aquilo que eu estava habituado (que basicamente eram PES, Fórmula 1, GTA e Tomb Raider).

Um comunicador não precisa ser um utilizador daquilo que comunica. Um exemplo: jornalistas que atuam no setor de Economia não precisam ser investidores da bolsa de valores. O mesmo para jornalistas esportivos que não precisam ser atletas (muitos deles mal conseguem dominar uma bola, mas marcam um golaço em reflexões e análises táticas). Eu sempre tive consciência de que para ser um bom jornalista de games, não precisaria jogar TODOS os jogos em ordem de lançamento. Todavia o conhecimento sim, era necessário.

Me deparei, então, ao fato de que havia muitos jogos importantíssimos para a formação da indústria como está hoje que eu não tinha conhecimento. Era o caso de Resident Evil, que dois anos atrás eu não conhecia nada mas estava convicto de sua relevância. Para preencher essa lacuna, decidi criar um vídeo que explicasse toda a saga (Explicando Pro Mozão - Resident Evil) e acabei me apaixonando pela série.

Isso me fez aumentar meu repertório e conhecer a fanbase do jogo (que é bem contraditória, diga-se de passagem, mas ao mesmo tempo, interessante). É algo que preciso desenvolver para outras grandes franquias, como Metal Gear e Metroid.

O que me ajuda a medir o tamanho da lacuna cultural em games é meu emprego como vendedor em uma loja de videogames. Tenho conhecimento profundo em vários jogos e na história da evolução dos hardwares e IPs, mas algumas vezes aparecem alguns clientes que fazem perguntas que eu percebo que deveria saber.

Então a vibe gamer que estou vivendo é de culturalização. O canal do Zangado Games está me ajudando imensamente, porque ele destrincha as franquias nos principais elementos que compõem um jogo, como produção, gameplay, desenvolvimento, problemas, recepção do público etc). Essa situação vai refletir bastante no 2020 do GNRGUNNAR, pois não irei focar tanto na produção de análises de todos os jogos que forem saindo, mas de ampliar meu repertório.

Literatura

Eu sempre amei Literatura fantástica, mas minha vibe hoje é outra. Estou em uma fase de livros e materiais com a temática de empreendedorismo, crescimento e legado. O motivo é que são assuntos que refletem a principal necessidade que tenho hoje, pois tenho total clareza de que quero (e vou!) viver de videogames. Então saber empreender é extremamente relevante para mim agora.

Isso vai refletir aqui no GNRGUNNAR sim, porque o a sigla GNR é de Games and Reading, ou seja, Jogos e leituras em geral, não com um tema fixo e imutável. Esse setor "Reading" será o que mais vai refletir meu estado de espírito, porque quando eu sentir forte tendência a aumentar o conhecimento em alguma área, pode ter certeza que encontrarei muito embasamento nos livros (o que, consequentemente, aumentará a presença de postagens sobre o tema aqui no blog).

Como o público de games se assemelha demais ao de literatura fantástica e quadrinhos, farei um esforço para trazer esse tipo de conteúdo também, então podem ficar tranquilos. Até porque a leitura de um romance é muito mais fluída e rápida do que a de um livro mais técnico.

~

De modo geral, estou contente com a fase que vivo e mais ainda pelo blog pessoal que tanto amo fazer parte disso. É um projeto gracioso porque abrange elementos que mais amo abordar. Essa postagem, por exemplo, serviu para refletir (no sentido de reflexo mesmo, não de conscientização) a que ponto me encontro nesses tais elementos.

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.